Orientações para o sono

Posted

SONO

INTRODUÇÃO

  • O impacto de uma noite mal dormida para uma criança pode ser significativo. Existe evidência de efeitos deletérios sobre o desenvolvimento cognitivo (aprendizado, memória, funções executivas), sobre o humor (irritabilidade, alteração da modulação do afeto), sobre a atenção, sobre o comportamento (agressividade, hiperatividade, perda do controle do impulso) e sobre a saúde propriamente física (aumento na incidência de acidentes, disfunção imunológica e metabólica).
  • Existe uma base sólida de literatura para apoiar a abordagem comportamental para os problemas de sono da infância. Além disso, a abordagem comportamental se mostra mais eficiente que a abordagem farmacológica e mais aceita pelas famílias.
  • Uma em cada três crianças menores de cinco anos apresenta problemas de sono.

CLASSIFICAÇÃO

  • A insônia comportamental da infância é dividida em 2 grandes subtipos:
    • O distúrbio associado à iniciação do sono: Que geralmente ocorre entre 6 meses e 3 anos de idade. Nesse cenário, o problema ocorre pela construção de uma rotina de sono disfuncional. Os bebês são colocados para dormir após serem ninados no braço e são alimentados para induzir o sono. Se esse padrão se tornar um hábito, as crianças vão sempre precisar desses rituais para dormirem.
    • O distúrbio da falta de limites: Caracteriza-se pela recusa em ir para a cama no horário de dormir. Comum nas crianças em idade pré-escolar que estão cada vez mais independentes e testam os limites dos pais, inclusive na hora do sono.

OBJETIVO DO TRATAMENTO

  • Objetivo da abordagem comportamental:
    • Distúrbio associado à iniciação do sono: O objetivo é que seu filho fique na cama e aprenda a adormecer sozinho – sem ser segurado, balançado ou amamentado. A se tornar independente de rituais disfuncionais.
    • Distúrbio da falta de limites: O objetivo é criar rotinas e limítes para que seu filho  aprenda a adormecer por si mesmo. A maior parte dos problemas pode ser evitada com uma rotina definida e algumas regras. Não podemos fazer uma criança dormir, mas podemos colocar a criança na cama e organizar o ambiente para que o sono se torne mais provável.
  • Aprender uma nova rotina na hora de dormir pode ser difícil e alguns protestos são inevitáveis. Mas, você pode usar uma das abordagens apresentadas abaixo para lidar com o problema de sono. Escolha a abordagem que você se sente mais confortável. É importante que ambos os pais estejam alinhados. Vocês devem estar preparados para seguir com o programa escolhido. Escolha um momento em que não estejam cansados para começar, talvez uma sexta à noite.
  • O treinamento pode ser conduzido pelos pais com ou sem o auxílio de consultores do sono.
  • Se você tem mais de um filho e eles compartilham o quarto talvez seja preciso separá-los por um tempo.

TRATAMENTO

  • Estratégias comportamentais:
    • Extinção – “deixar chorar”
      • Os pais colocam a criança na cama no horário acordado e ignoram os chamados e protestos até a manhã seguinte. Apesar de continuar monitorando o bem estar, saúde e segurança da criança.
      • O maior obstáculo é a falta de consistência do método pelos pais. No método é necessário ignorar independente do tempo de protesto. Se os pais responderem após determinado tempo de choro isso apenas fará com que a criança chore por períodos mais longos.
      • A maior desvantagem do método é o stress que é gerado nos pais, apesar de demonstrar uma rápida resposta do ponto de vista de melhora do comportamento da crinaça em relação às outras formas de abordagem comportamental.
      • O primeiro estudo com o método foi conduzido por Willians em 1959.
      • Uma variante do método, extinção com a presença dos pais, propõe a mesma metodologia porém com um dos país no quarto ignorando o chamado do filho. É bastante utilizado na Inglaterra.
    • Extinção Gradual – “Treinamento do sono”
      • Os pais colocam a criança na cama no horário acordado e ignoram os chamados e protestos por períodos/intervalos de tempo acordados. Que podem ser fixos ( a cada 5 minutos) ou progressivos ( 2min – 5min – 7min – 10min…).
      • Esses intervalos são definidos pelo limiar de tolerância dos pais ao choro e à observação do comportamento da criança.
      • Nos eventos de checagem, os pais devem confortar a criança por um curto intervalo que varia de 15seg-1min. Os pais são orientados a interagir o menos possível om a criança.
      • O protocolo foi popularizado por Ferber em 1985.
      • SUGESTÃO DE PROTOCOLO EM ANEXO
    • Rotinas positivas
      • Compreende estabelecer rotinas agradáveis e relaxantes (ouvir música, tomar banho, ser acalentado) 30 min-1 hora antes de deitar. E adiar a hora de dormir até perceber que a criança está cansada e irá adormecer rapidamente.
      • Após estabelecer o hábito de adormecer de maneira rápida o momento de colocar na cama é gradualmente antecipado em  15 a 30 minutos a cada dia.
      • Geralmente é utilizado em paralelo com os outros métodos.
      • Foi primeiro utilizado por Milan em 1981.

RESULTADOS

  • A maior parte dos autores (94%) concorda que a abordagem comportamental produz resultados clinicamente significantes. A melhora do padrão de sono entre as crianças pode ocorrer espontâneamente mas é antecipada com as abordagens comportamentais.
  • Abordagens combinadas como rotina positiva + Extinção gradual são frequentemente empregadas. Nenhuma abordagem se mostra melhor que outra.
  • Uma preocupação dos país é um possível impacto emocional nas crianças submetidas à abordagem comportamental. São preocupações: irritabilidade, distúrbio do comportamento, baixa auto estima, choro e insegurança. A conclusão que se tira é que nenhum desses possíveis efeitos adversos ocorrem nas crinaças submetidas à abordagem comportamental. Pelo contrário, existe a descrição de melhora do comportamento durante o dia com o tratamento.
  • Também é descrito uma melhora no sono dos pais com redução de stress e depressão materna.

ROTINA DE DORMIR

  • Como estabelecer uma rotina de dormir:
    • Certifique-se de que o quarto do seu filho é  confortável. Deve estar bem ventilado e com temperatura adequada.
    • Deixe uma luz de segurança se ele tem medo do escuro.
    • Defina um horário de dormir. Habitualmente se orienta entre 19-20h. Mas a rotina familiar pode influenciar nessa decisão.
    • Dependendo da idade de seu filho, combine algumas regras simples que você gostaria que ele seguisse.
      • Respeitar a hora de ir para cama.
      • Ficar na cama até de manhã.
      • Ficar tranquilo no quarto sem chamar pelos pais.
    • Lembre o seu filho quando chegar perto da hora de dormir, cerca de 30 minutos antes.
    • Realize atividades de pouco estímulo perto da hora de dormir, como leitura, quebra-cabeças ou colorir.
    • Interrompa as atividades antes da hora de dormir. Cerca de dez minutos antes.
    • Ajude seu filho com a escovação dos dentes, ida ao banheiro e a organizar a cama.
    • Quando ele estiver na cama, leia uma história ou cante algumas músicas.
    • Então, diga boa noite e saia do quarto.

QUANDO ELE SAI DA CAMA

  • O que fazer se seu filho sai constantemente da cama:
    • Geralmente ocorre na fase em que o berço é substituido pela cama.
    • Quando acontecer, coloque ele novamente na cama e diga a ele para ficar calmo e tentar dormir. Explique que ele não deve levantar e não deve sair do quarto. Ignore os protestos.
    • Se ele voltar a sair encoste a porta do quarto. Assim que ele ficar calmo e conseguir ficar deitado volte a abrir a porta do quarto. Repita este passo toda vez que ele sair do quarto. Ele vai entender que é melhor ficar deitado de porta aberta do que com a porta fechada.
    • Fechar a porta e explicar de forma calma é mais efetivo do que ameaçar ou realizar punições.
    • Se o seu filho perambula durante a noite e vai para sua cama, volte a coloca-lo na própria cama e não converse muito com ele nessa hora. Tente fazer isso rapidamente. E se ele voltar a vir para a cama, volte ele imediatamente e desta vez feche sua porta.

PROTOCOLO DE ESTUDO - ANEXO