INTRODUÇÃO

O trauma crânioencefálico (TCE) é um dos principais motivos de atendimento médico de urgência em crianças. Na maioria das vezes é um evento sem maiores complicações e de baixa morbidade. Porém, lesões mais graves podem estar associadas ao TCE e os cuidadores devem saber reconhecer os sinais de alerta.

CAUSAS

Diversos mecanismos de trauma são descritos no TCE que envolve as crianças. A idade e o ambiente em que ocorre irão influenciar sua freqüência. As quedas são a principal causa, responsáveis por até 50% dos casos. Outros eventos comuns são: colisão automobilística, atropelamento, acidente com bicicleta e outros acidentes relacionados à prática de esportes.

SINAIS DE ALERTA

Nem todo o TCE é grave e necessita de uma avaliação médica. Muitas quedas triviais não terão repercussão para a criança e, portanto, não necessitarão de avaliação médica.

A avaliação médica esta indicada:

  • Queda em menores de 3 meses
  • Queda de altura superior a 1 metro
  • Queda de escadas
  • Acidente ciclístico sem uso de capacete
  • Acidente automobilístico com vítimas no carro
  • Perda de consciência após o trauma
  • Machucados no couro cabeludo ou hematomas extensos
  • Sangramento em nariz ou orelha
  • Vômitos seqüenciais após o trauma
  • Alterações de força muscular ou equilíbrio
  • Cefaléia importante que persiste após o trauma
  • Sonolência excessiva – fora do padrão habitual da criança

O mais importante no evento do TCE é identificar se ocorreu lesão cerebral e se teve sangramento cerebral. Pois essas condições devem ser identificadas e corrigidas rapidamente. Os sinais/eventos acima descritos são indicadores de um maior risco para que esses eventos tenham ocorrido.

INVESTIGAÇÃO

Uma vez que tenha a suspeita de uma lesão mais importante acriança deve passar por avaliação médica. Exames de imagem podem ser executados para maior esclarecimento do quadro na tentativa de identificar se estamos ou não frente a uma lesão cerebral ou na presença de um hematoma.

O melhor exame de imagem para identificar esse tipo de complicação é a tomografia de crânio. Porém, apesar de grande relevância no diagnóstico, ela não deve ser executada de forma indiscriminada para todo trauma. Ela não é isenta de efeitos adversos, como a necessidade de sedação da criança não colaborativa e o efeito no longo prazo da irradiação.

O Rx de crânio é um exame pouco útil nesse cenário. Apesar de ser capaz de identificar fraturas do crânio ele não consegue identificar os sangramentos e o trauma cerebral. Além disso, como o crânio da criança é mais complacente, pode ocorrer um hematoma sem a presença de fratura de crânio.

Voltar para matérias